Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está aqui: Últimas Notícias > Fundo Constitucional de Financiamento do Norte vai investir R$ 9,9 bilhões em 2020
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Fundo Constitucional de Financiamento do Norte vai investir R$ 9,9 bilhões em 2020

  • Publicado: Segunda, 13 de Janeiro de 2020, 15h09
  • Última atualização em Terça, 04 de Fevereiro de 2020, 21h01

Recursos ajudam empreendedores e indústrias, além de gerar emprego e renda

13 01 FNOBrasília-DF, 13/1/2020 - Empreendedores e produtores dos estados do Amazonas, Roraima, Amapá, Pará, Tocantins, Rondônia e Acre terão R$ 9,9 bilhões à disposição em 2020, disponibilizados pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). O Fundo financia projetos para abertura do próprio negócio, expansão das atividades, aquisição de estoque e custeio de gastos gerais. “Uma linha de financiamento diferenciada, facilitada, com taxa de juros menores para os pequenos, os médios produtores rurais e também empresários”, afirmou o ministro do Desenvolvimento Regional (MDR), Gustavo Canuto. Os recursos são administrados pelo MDR e concedidos por meio do Banco da Amazônia, aquecendo a economia e gerando emprego e renda na região.

O microempreendedor do ramo de serviços e peças de Santa Bárbara (PA), Darildo Silva de Almeida, trabalhava consertando eletrodomésticos. Em 2016, adquiriu o primeiro financiamento. Com ele, comprou peças e abriu uma loja. Agora, possui não somente a oficina, mas também uma loja especializada em peças de eletrodomésticos. “Foi o ponta pé inicial, tudo o que o empreendedor precisa com facilidade de pagamento”, contou o microempreendedor.

Em 2019, com um segundo financiamento, comprou um veículo para atender clientes que moram mais longe. Com o aumento da demanda, Darildo contratou quatro funcionários que, a partir deste mês de janeiro, terão a Carteira de Trabalho assinada. Para ele, o FNO foi fundamental para a expansão. “Tirei mais capital de giro e comprei o carro, antes era uma bicicleta. Sem o financiamento jamais teria sido possível. Eu tinha um sonho, mas eu precisava de um parceiro, que foi o Banco da Amazônia”, relatou Darildo.

O diretor Comercial e de Distribuição do Banco da Amazônia, Francimar Maciel, explicou que o Fundo atende a vários programas e abrange desde o agricultor familiar e o microempreendedor urbano até o grande produtor rural ou a grande indústria, sempre com o foco de preservação da floresta.  

"Esperamos então, com esse volume de recursos (R$ 9,9 bilhões em 2020), contribuir aí pra um movimento ainda maior, um crescimento ainda maior da região amazônica, da região norte, e induzir boas práticas de produção”. E completou. “No agronegócio a gente tem hoje várias opções de tecnologias produtivas tanto para agricultura quanto pra pecuária, que aumentam de forma significativa a produtividade ... então, você aumenta a produtividade de uma propriedade ou de um empreendimento e diminui com isso a pressão sobre a floresta”, afirmou.

Além de linhas específicas para agronegócio, extrativismo e sustentabilidade, o Banco da Amazônia também operacionaliza financiamentos para áreas de infraestrutura, energia fotovoltaica, ciência, tecnologia e inovação.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, o Pará terá acesso a R$ 2,92 bilhões em 2020. Tocantins será o destino de R$ 2,12 bilhões e Rondônia ficará com R$ 2,04 bilhões. Os empreendedores do Amazonas terão R$ 1,64 bilhão. Acre, Amapá e Roraima contarão com R$ 491,64 milhões cada.

Diretrizes do FNO 2020

Neste ano o FNO tem prioridades já definidas. Uma linha de financiamento especifica para investimentos em infraestrutura no valor de R$ 2,97 bilhões, que faz parte do Programa de Financiamento em Apoio à Infraestrutura (FNO-infra); e a implantação do Programa de Microcrédito Produtivo Orientado (FNO-MPO), que destinará R$ 69,35 milhões aos pequenos empreendedores.

“Tem uma linha específica que é o Microcrédito Produtivo Orientado, que é algo muito interessante, que você não só facilita que aquelas pessoas que têm um pequeno negócio, a doceira, costureira, aquelas pessoas que estão começando de uma maneira muito artesanal e precisam de um apoio financeiro, além do apoio financeiro, essa linha de crédito também dá um apoio de assistência técnica”, explicou o ministro Gustavo Canuto.

Fonte: Brasil.gov.br

Ouça o boletim de rádio.

registrado em:
Fim do conteúdo da página